• Rosana Seager

O que a maternidade te ensina?


O que que a maternidade te ensina?


Clara é minha primogênita.

Há quase 6 anos eu me vejo nessa trajetória de me encontrar com a Rosana mãe.


Me sinto mãe em muitos momentos. Mas preciso constantemente me reafirmar ser uma mãe que eu amo.

Preciso de momentos só com elas e mais ninguém em lugares diferentes da rotina, pois a rotina é que mais me massacra e me faz querer apertar um botão de pausa e tirar férias enquanto não aperto play de volta.


Ser mãe somente na rotina diária de:

-ser acordada antes que gostaria;

-ouvir 20 milhões de “manhê” antes mesmo de conseguir fazer xixi;

-fazer café da manhã todos os dias

-arrumar casa

-tentar responder mensagens de trabalho entre uma demanda e outra e acabar se trancando no banheiro para dar conta de um email;

-se certificar que tem comida, almoço, lanche e janta, além de roupas limpas;

-dar conta de 20 mil pitis e brigas entre as irmãs antes das 10h da manhã

-brincar com elas, levar para pracinha ou play com a tralha toda;

-colocar a mais nova para dormir a soneca;


Vou parar de narrar aqui no meio dia pq até eu já cansei de lembrar e escrever.


Enfim, a rotina é sim pesada, pois ainda envolve meu próprio trabalho (que eu amo e preciso), a casa e EDUCAR.

Onde sobra espaço para o curtir e o se transformar em uma mãe que você ama?


Por isso, essas escapadas, esses momentos de pausa, de respiro, de conexão com cada filha é para mim FUNDAMENTAL. Mesmo que seja uma ida à padaria com uma delas somente, ou fazer um bolo sem nenhum motivo específico, etc


Clara é essa menina doce, de pulso firme, dedicada, fiel, certa do que quer ou não quer, embora receba bem conversas quando não está exausta. Ela me vê, me observa, me lê.


Ela cada vez mais entende, na maioria das vezes, que eu preciso dos meus afazeres como Rosana.

Ela observa bem quando eu me coloco disponível para dar o colo que ela precisa e para pegá-la também de surpresa com um colo que ela nem tinha pedido.


Ser mãe acho que é isso. Ser você mesma e também uma você que é convocada a mudar, a se adaptar às demandas de alguém que te vê como porto-seguro.


Acho que dá para se reencontrar nessa nova versão de você mesma mãe.


E você? O que a maternidade de te ensina?